Retalhos

"Posso não concordar com uma só palavra que disseres, mas defendo até a morte o teu direito de dizê-las". Voltaire.

quinta-feira, março 19, 2009

Palavras não há….

Para acrescentar muito mais ao texto de Paulo Coelho, pese embora na minha opinião se possa ser um pouco mais perceptível no que diz respeito à opinião de um homem sobre o corpo feminino. As mulheres vivem obcecadas com o corpo, porque na opinião delas é o corpo que lhes vai trazer o amor, ou que lhes vai fazer encontrar o amor, mas não, pode facilmente trazer uma noite mais apimentada mas garantidamente que irá trazer também uma manha ainda mais vazia. Não existe outro ser como a mulher, o homem nunca vai ter a capacidade de entrega da mulher em relação à família, nunca vai ser capaz de suportar tanta dor, nunca vai ser capaz de ser uma força e um apoio quando tudo o resto falhar e é ai que fazem a diferença. Existe o boato popular que os homens têm de perceber que as namoradas e mulheres não são como as mães deles, mas na verdade é isso que todos os homens procuram. Afastando desde já o Complexo de Èdipo, o que os homens procuram mesmo é uma “mãe” e tudo o que ela significa, não é por a mulher meter silicone no peito, não é por ela ser magra, não por ela ter extensões, não é por ela ser “boa” que vai ser a mãe que os homens procuram, aliás muito pelo contrário, quanto mais desejável for a mulher mais longe ela ficará de ser a “mãe”. Talvez com um exemplo isto seja mais fácil de demonstrar, a Mariah Carey quando casada apresentava-se sempre bem vestida, sóbria elegante passava a imagem de uma “mãe” depois do divórcio passou a ser muito mais exuberante (em vários sentidos) tornando-se mais desejável mas também tornando-se mais….fútil. Logicamente podem contestar o exemplo, porque não representa o “comum dos mortais” mas na verdade para nós homens a identificação de potenciais candidatas a “mulher da nossa vida e única” passa muito por ai, é olhar para uma mulher que se vista de maneira provocante e excessivamente industrializada pela moda e perceber que ela não está preparada para o “cargo” ou ainda não encontrou o amor que procura, ou procura desesperadamente atenção. Não confundir tudo o que disse, com saber vestir, estar, mostrar-se, sentir-se desejada (algo fundamental para a mulher) temos vários exemplos para se perceber a diferença, Princesa Letizia Ortiz, Princesa Rania, Oprah Winfrey, Glenn Close. Que se queiram transformar, que se queiram vender a luxos e conforto, a relações pobres e desprovidas de amor, carinho, fogo, paixão, que o façam mas que o assumam, sejam mulheres sérias. Existem certos aspectos que perduram no tempo muito para além das “modas” a moda é tão efémera que por vezes as pessoas vivem das mesma forma que usam as roupas, convivendo da mesma forma com as pessoas, com o tempo a beleza vai desvanecendo, a firmeza do corpo vai dando lugar à flacidez, a lucidez vai fugindo levando com ela hábitos e vícios, vamos deixando de oferecer resistência às frustrações e vicissitudes vamos baixando os braços e cada vez mais acomodados percebemos que perdemos demasiado tempos a trabalhar aspectos que mais tarde não nos servem de nada.
"Enganar-se a respeito da natureza do amor é a mais espantosa das perdas. É uma perda eterna, para a qual não existe compensação nem no tempo nem na eternidade: a privação mais horrorosa, que não é possível recuperar nesta vida... nem numa futura (Soren Kierkegaard)

1 Comments:

Anonymous Li said...

Já te disse pessoalmente...mas agora fica aqui registado...ADOREI!! ;) Subiste uns pontos na minha consideração!LOololl! Vê-se mesmo que sou gorda! =P

Beijuu!***

4:53 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home