Retalhos

"Posso não concordar com uma só palavra que disseres, mas defendo até a morte o teu direito de dizê-las". Voltaire.

sábado, maio 27, 2006

Por favor, ajoelhem-se

È engraçado constatar que as noticias também tem épocas. Logicamente que existem noticias que são de “ultima hora” e que normalmente se arrastam semanas nos telejornais, normalmente catástrofes, acidentes, conflitos armados e por ai. Mas acreditem na história de notícias sazonais. Mas o que me leva a escrever este post é que surgiu recentemente uma noticia, que normalmente só surge em meados de Outubro, Novembro ou quando é um escândalo como é óbvio. Falo das praxes académicas. Segundo um inquérito da Universidade de Coimbra um terço dos estudantes inquiridos defendem práticas de praxe académica violentas e segundo este mesmo inquérito 28 % dos alunos discordam de que a praxe deve ser facultativa e respeitar quem não quiser. O próximo dado do inquérito é que me deixou perplexo, para os leitores assíduos deste blog pode ser mesmo mais uma intervenção sobre a descriminação, é que 80 %, eu repito, 80 % dos inquiridos responderam favoravelmente à discriminação sexual bem como a recusa de qualquer alteração/revisão do código de praxe que iguale os direitos. Estes números até podem ser facilmente explicados, pelo desejo de vingança por aquilo que alguns sofreram, tradição, falta de civismo e por ai fora. Contudo tenho de afirmar que sou a favor das praxes, são um mecanismo de integração, são benéficas na adaptação dos estudantes e são a génese do espírito académico, pese embora, alguns alunos vejam as praxes como uma forma de se sobressair dentro de uma comunidade que procura exemplos e referências, procuram humilhar quem em condições de igualdade não conseguiriam, mas creio, que este tipo de pessoa existe em qualquer parâmetro da nossa sociedade e é importante que esta ideia esteja presente durante a formação académica, mas na minha opinião, não numa perspectiva “curricular” mas numa perspectiva humana.

1 Comments:

Anonymous rita said...

Antes de mais queria louvar a qualidade dos post sempre actuais uma opinião sempre bem estruturada. Em relaçao ás praxes ñ percebo como ñ vêm que ñ ha a intenção de humilhar ninguem concordo totalmente com o gonçalo é um processo de interacção do qual deviam tirar as coisas boas a convivencia os sorrisos partilhados com o colega que ñ conhecemos para mim é um momento unico na vida académica e que antecede as aulinhas pelo que tambem o vejo como um periodo de descontração. ja ha algum tempo saiu uma noticia de um aluno que se declarou anti-praxe e depois foi reindivicar o direito de trajar.. pois bem, antes de se negar algo ou tomar uma decisao convem saber as consequencias que isso acata e ñ o entendo so nesta situação mas em todo o processo de existencia. cumprimentos pa ti e continua o bom trabalho que aqui tens exibido.

5:16 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home